7 de fev de 2012

Reconstruindo

Alguém comentou no twitter que a vida só permitia mudanças até os 30 anos. Que depois disso, era se deixar levar pela maré e agarrar o que fosse possível. De repente me assustei. Como assim? Eu com meus 40 anos então estava fadada a ser aquilo que sou, a ter apenas o que me for dado... enfim, morri?!

Não importa se você tem 20, 30, 40 ou sei lá, 80 anos a vida está sempre em constante transformação. Tem momentos, e não importa a idade, em que você precisa se reinventar, às vezes, até mais, se reconstruir, botar abaixo tudo aquilo que um dia já foi: planos, sonhos, tudo aquilo erguido em anos a fio; pra reerguer paredes, refazer caminhos ou descobrir outros, mesmo que seu GPS esteja quebrado, insistindo em apontar estradas erradas que percorreu, não dá para parar, e se for necessário, há de se agarrar na bússola de mão e construir você mesmo os novos percursos necessários.

Óbvio, embora nada seja muito óbvio neste momento, que quando tudo rui ao seu redor, a dor, o medo do desconhecido, a certeza de que nada será como antes, pode vir a tentar de dominar e as lágrimas cheguem com força, mesmo quando em silêncio, mesmo quando ainda estampe sorrisos no rosto. E por mais que se queira deitar em posição fetal, sabe que isso nunca será possível. Que você vai se levantar e buscar naquilo tudo que se quebrou, o que ainda te faz inteira, e começar de novo.

E, se mais a frente, a vida insistir em te dizer: Ei, fudeu! Você vai se erguer de novo e mais uma vez. Ou quantas vezes for necessário. Por que é uma questão de seguir em frente, a borboleta não volta a ser lagarta, mesmo que construa casulos fictícios. 

A onda que leva castelos de areia, nunca é a mesma. Tampouco a areia que usará para construí-los novamente. 

E, sim, tenho 40 anos e não fiz o script previsto, ou fiz, mas descobri agora que esse não era o meu papel. Mas, a protagonista da história sou eu, por mais que o destino queira me fazer achar diferente...

14 comentários:

Fernanda Reali disse...

Eu sempre te vi como protagonista, a "dona da história'. Sempre acreditei em ti e, agora, parece que estás mais forte.

Luci Cardinelli disse...

Que absurdo uma pessoa dizer isso!! Com certeza deve ser uma pessoa infeliz, que tá passando pela vida, e não vivendo.
Eu acredito que mudamos, que crescemos até nosso último dia de vida.

beijossss e mude! siga! lute!

Sandra Peres disse...

To beirando os 40, mudando de profissão, aprendendoa lidar com o ciumes, nunca dantes sentido por essa pessoa, aprendendo a me virar por onde não parecia haver espaço nem pra respirar, e acho que até os 80 eu mudo de ideia mais umas 3 ou 4 vezes...
Somos donas das nossas histórias e por mais que haja e há muitos personagens, só nós podemos determinar o rumo

KS Nei disse...

Falou e disse.
Trabalhei a vida toda e agora, aos 46, estou fazendo o que realmente gosto.

É isso.

Besos

Luma Rosa disse...

Ui!! Quem disse tamanha besteira? Não, não diga!! ;) Somos personagens de nossa própria vida e nossos papéis mudam conforme a fase da vida em que estamos. Ninguém precisa ser 100% sempre e a perfeição pode não ser uma boa. Estar em paz consigo é o mais importante de tudo! Boa semana! Beijus,

José Francisco disse...

Estou com 30 e divido os mesmos anseios e a mesma opinião... adorei o texto.

VELOSO disse...

A vida começa aos quarenta nem que seja aos quarenta do segundo tempo ou da prorrogação!

Beta disse...

Concordo com você.Sempre é tempo de recomeçar!!!

bj

** Dri ** disse...

AMEI!!!

Macá disse...

Ahahah
Só faltava essa! Ter que continuar a ser da mesma maneira até o fim dos dias.
Trágico, mas ainda bem que é uma bobagem.
Mudamos a cada dia, a cada situação.
Ainda bem.
beijos

Thaisa Santos disse...

Errar, acertar. Não importa. Se aos 10, 15, 20, 30 ou 40 anos menos ainda. Cada fase traz seu mel féu. As novas e antigas sensações de insegurança "irá dá certo?", mas também a fé de que dará.. Imendnaod uma coisa na outra:"O tempo não cicatriza as feridas, mas fazem comque doam menos..." aponto de entendermos que "ninguém passa pelo rio do esquecimento duas vezes posto que nem a água e nem o rio são os mesmos..."

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Me assusto quando leio uma coisa dessas, Patrícia. Que pensamento auto-limitante, achar que a vida se encerra aos 30 (pq achar que depois não dá pra mudar pra mim é encerrar a vida, sempre é tempo de mudar, aprender, viver, fazer coisas novas, afff).

a vida é sempre um mudar, se reerguer. deixar o protagonismo de nossas vidas tão cedo é algo derrotista demais.

e mtas vezes a vida nos obriga a fazer outros papéis, mas... o papel é nosso rs.

adorei o post

bom dia!

Cris Campos disse...

Olá amada! A idiotice praticamente impera no Tw, e esse tipo de frase é uma lástima! Nossa vida é sempre um novo começo, não importa a idade, enquanto vida houver. Bjs.

Rosa Branca disse...

nunca é tarde!