24 de dez de 2018

Crônica Natalina



Essa obsessão por comemorar natal dia 24 e dia 25 me confunde. Natal é dia 25, catzo! Réveillon que tem essa coisa de 31 e 1º, ambos coexistem como uma única coisa, dias em que você tem desculpa para começar a beber assim que amanhece. No dia 31 se despedindo de toda a desgraceira do ano anterior, no  1º, para afogar toda o medo da desgraceira que vem pela frente.

Mas, o Natal não. Comemora-se o nascimento de Cristo  dia 25! Ninguém comemora aniversário a partir do dia anterior. Ok, tem gente que comemora, mas nem vou considerar.

Mas, então, a fatídica ceia da virada trás a família dividida entre os exaustos,  que.passaram o dia inteiro com a barriga encostada no fogão, fazendo comida para um batalhão e os famintos, os cretinos que pararam de comer às 9 da manhã para guardar a barriga pro peru do Ramiro. Por que o Ramiro, gente, o Ramiro faz um peru divino!

A ceia da madrugada tem todo um quê emocional.

Depois da oração da prima Teteia, onde cada grão de arroz é agraciado pela bênção divina, a turba se empanturra e depois se espalham pelos cômodos, as crianças atazanando os.cachorros, os aborrecentes postando selfies com dizeres de infelicidade. Os adultos compartilham lembranças, manuseando fotos antigas com dedos lambuzados de calda de pudim de leite.

Se ai, nesse momento se encerrasse o ato, a vida familiar seguiria na confortável hipocrisia de todos os dias. Mas, tem o efetivo dia do Natal. E é ai que o tudo desanda.

Entre as 10h da manhã, quando todos acordam, por bem ou pelo tilintar dos garfos e copos colocados à mesa pelos anfitriões insones e as 14h, onde começam a servir o almoço, os ressentimentos fermentam e se apuram, hidratados por cervejas mornas e vinhos azedos.
A verdade é que às 14h ninguém mais suporta o filho da Doralice, moleque birrento que chora de cinco em cinco minutos, quando não está batendo nas crianças menores.
.
Ninguém suporta mais a Doralice, loira, magra e que passa o tempo todo discorrendo sobre como o pentelho do filho é inteligente e ganhou prêmio de soletração do colégio. Principalmente porquê ela manda o moleque soletrar inconstitucionalissimamente toda vez!

Há o revirar de olhos também para a Lidinha, terceira esposa do primo Zeca, que faz cara de nojo para tudo que é oferecido e só come a comida de passarinho que trouxe em mais de uma dúzia de potinhos de vidro,  porquê só come comida orgânica, é vegana e insiste em ensinar ao Caique, uma receita de danoninho natural feito com queijo caseiro e morangos cultivados na Serra, no sétimo dia do solstício de inverno por irmãs carmelitas que fizeram voto de silêncio. Sob os olhares raivosos de Renata, esposa de Caique, que em vingança, abre um pacote de salgadinhos carregado de sódio e gordura monossaturada e dá escondida para o filho mais novo de Lidinha.

Quando todos sentam à mesa há um rancor não contido em cada um dos presentes, a maioria já trocando as pernas. A tensão, como uma fina película, cujo menor movimento vai romper. Os olhares se cruzam junto às travessas fumegantes.

O conflito é eminente, por isso pouco falam, o bater dos talheres  é o som ambiente, ninguém quer ser a gota que vai transbordar o copo. Só querem comer, encerrar aquilo e voltar no ano seguinte.

E é nesse clima que João, o filho pentelho de Doralice, exclama, com a boca cheia de farofa:
-  Olha, mãe, o Neco me ensinou a soletrar terraplanista - t-e-r-r-a...

Um silêncio profundo invade a sala.  Quebrado pelo resmungar alto de Agenor, pai de João e esposo de uma estupefata Doralice:

 -Tinha que ser o Neco a ensinar essa merda! É isso que está aprendendo no seu colégio caro e de renome internacional? Que a terra é plana?

Andrade suspende a garfada no ar e aponta ameaçadoramente a coxa de peru em direção a Agenor.

- Melhor aprender isso que ser doutrinado por aqueles comunistas de merda do tal coleginho federal que seu filho estuda!

Um burburinho começa na mesa. Frases soltas ditas com a cabeça baixa, quase como se falassem para si mesma. Mas, uma se sobrepõe as outras.

- Pelo menos a filha não é sapatão... - murmura indignada Carminha, mãe da Silvia, adolescente com fone de ouvido completamente alheia a todos ali.

- E quem tem filha sapatão aqui? - a prima Teteia veste a carapuça.

- Ah, vai dizer que você não sabe sobre a Carol? Todo mundo sabe que sua filhinha cola velcro! - 
Andrade se mete, ainda sacudindo a coxa.

Os olhares  se dirigem à Carol. A morena, que lutava para pegar um pedaço do peito de peru, levanta-se, ainda com a faca de destrinchar peru na mão. Os parentes próximos se afastam disfarçadamente.

- O senhor descobriu isso quando, tio Andrade? No dia em que fingiu não me ver lá naquele prédio na Barata Ribeiro em que subiu com a prostituta ou quando tentou cantar minha namorada e ela mandou o senhor se fuder?

- Prostituta? Barata Ribeiro? - Vera, esposa do Andrade, indaga, chocada ao marido.  

O burburinho agora já não é mais baixo. Todos falam ao mesmo tempo, de um lado a outro da mesa revelações são desencavadas e ofensas são trocadas.
- Seu petralha, defensor do kit gay!
- Fascista, filha da puta opressor!
- Pelo menos não tenho bandido de estimação!
- E a laranjada, ta boa?
- Vai pra Cuba!
- Lambe-botas de milico!

Os ânimos se exaltam e as ofensas proliferam. Ninguém percebe a matriarca Zuleide, catando todo o bacon da farofa e colocando em um prato.  

Desde que a médica a proibira de comer bacon, todos da família faziam vigilância severa. Tinha anos que ela não comia a gordurosa iguaria.

João senta-se ao lado da avó, assistindo a hecatombe familiar.
- Vó, foi a senhora que me ensinou soletrar terraplanista, por que me mandou dizer que foi o Neco?

- Cala a boca, menino e come um pedaço de bacon! - A matriarca responde. Enfiando um pedaço da carne suculenta e  dourada na boca da criança.

17 de set de 2018

Insônia

Noite Estrelada - Van Gogh

É madrugada e não durmo.Giro e reviro.Remoendo frases, fatos, acasos.
A mente fervilha.Tempestades. Acizentados pensamentos
Relampejam medos.Chovem impossibilidades.Inundam certezas.
A insônia  consome.
O corpo pede repouso, mas a alma se agita.
A tempestade que irrompe, amanhece. É força da natureza.
E nem mesmo a mente se atreve, por mais que o corpo padeça,
interromper o vendaval que me consome.

3 de set de 2018

Encontro

Aprume o corpo. Se ajeite. Bote um batom na boca. Uma roupa que ame. Um sapato confortável, Se enfeite. Que hoje você tem um encontro. Aceite.

Esquece a outra que espreita. Silencie à que grita. Enrole as culpas em plástico bolha. Aperte, estoure. Divirta-se.

Encare o medo que habita. Enfrente. Diga que hoje vai ser diferente. Que assim seja. E seja. Seja você a que manda. Assume. Se ame, se toque. Embriague-se em seu perfume.

Hoje você tem um encontro. Consigo. Comigo. Com a dona dos olhos vermelhos no espelho. Com as rugas, as rusgas. Com os fios pratas do cabelo. Com o tempo.

Se ergue que a vida só segue.

Sossegue. Sossegue no peito o cansaço, Abrace. Seque as lágrimas que insistem,

Desiste, Do murro em ponta de faca. Do muro que nunca se acaba. Do abismo, com o qual sempre flerta. 

Se abra. Para o mundo e tudo que há nele. Navegue. Levante as velas e siga. Deixe que os ventos conduzam seus passos. Se enlace com tudo que ri.

Desenlace da tristeza. Hoje você tem um encontro. Com a vida, Consigo, Comigo.
E com todas nós que habitamos em ti.