23 de set de 2011

Poliana em Tempos de Crise

Capitulo III:

Cena 1 - Homens não prestam e mulheres não sabem o que querem. 

A decisão de pedir o divórcio, não surgiu de repente, como a maioria das coisas em minha vida. Pela primeira vez, houve toda uma preparação anterior. Um conjunto de ponderações que perturbaram minha paz, durante quase um ano.

Foram necessários alguns sinais, para que percebesse que algo não andava bem no meu casamento. Sinais, também percebidos por Adalto, os quais fui saber um pouco depois.

Primeiro foi a minha pouca tolerância para aturar coisas que no inicio não me incomodavam: televisão alta demais, prato com restos de comida dentro da pia. O modo como ele penteava o cabelo, as roupas que vestia, as velhas piadas, que antes me faziam rir, agora serviam para me irritar.

Com a pouca tolerância, começaram as brigas. Brigas cotidianas, que normalmente se iniciavam junto com o dia e deixavam uma sequela de mal-humor que se arrastava até o final-da-noite.

O sexo também dava os seus sinais de desgaste. Pouco, rápido e insosso. Para ele e para mim.

Mas ainda gostava dele. Tinha um carinho tão grande, que só em pensar em me separar doía.

Foi Wanda que sentenciou tudo de maneira exemplar. Havíamos tomado duas garrafas inteiras de vinho, comemorando a sua nova paixão, um guri de 22 anos, que ela havia conhecido na academia. Já tínhamos passado da fase do "eu amo você" e entravamos com tudo na "a vida não presta" quando comecei a derramar a ladainha. Ela arregalou os olhos, correu para o banheiro e depois de vomitar durante uns quinze minutos, amaldiçoando o vinho, disse o que eu já sabia, mas não tinha coragem de assumir:

- Por que não se separa? Agora, enquanto ainda tem amizade um pelo outro. Se ficar insistindo, vai acabar criando uma mágoa que não vai curar nunca. - Disse e em seguida vomitou de novo.

Enquanto a enfiava no chuveiro gelado e preparava um café forte, fiquei pensando no que ela falou. As palavras crescendo dentro de mim.
________________________________________
Este texto faz parte do Romance: Poliana em Tempos de Crise e você ler os capítulos anteriores nos links abaixo:

Capitulo I - A Arte de Dormir numa Cama Inflável
Capitulo II  - Muito Prazer, Sou Poliana

5 comentários:

Adriana Balreira disse...

Paty,
Adorei e vou ler os outros capitulos. Parabéns!
Beijos e boa primavera
Adriana

Cissa Branco disse...

Patrícia,

Que reviravolta, imaginava a Poliana como aquela que tudo suporta, que usava as ciladas da vida para fortalecer o amor, romântica eu? Até parece que o amor sobrevive com tantos contratempos, salvo que algo de positivo ocorra logo, acho que o caminho vai ser a separação mesmo, ó dó.
Beijos

Josiana Leite disse...

Quero ler mais gostei da história, bjss.

Vanessa disse...

Agora vc vai ter que escrever até o final ou eu vou te encher muito a paciência.

bjks

camila prietto disse...

Nossa Patrícia adorei o texto, parabéns!!! e tenho uma amiga que está se separando e já estou mandando para ela ler....ela vai rir muito....das coincidências da vida!!!! rsrs obrigada pelo lindo texto!!!
Camila
http://www.camilaprietto.com.br/