23 de fev de 2009

Desventuras Amorosas II

O horóscopo dizia: o melhor hoje é se recolher e aproveitar o dia para rever velhos conceitos. Mas palavras no jornal não foram suficiente para apagar a chama que amanhecera dentro dela. E ignorando todos os desígnios, o gato preto que passara correndo, quase lhe embaralhando os pés, a escada exposta na calçada que seguia, O fragmento de espelho quebrado que encontrara dentro da bolsa - como fora parar ali,? se perguntou. Tudo era de pouca importância.

Ela seguia seu caminho. Em direção a qualquer lugar. Olhar vitrines, talvez. Caminhar na orla. A areia e o sal no rosto. Mas, chovia. E ela sentou num bar. O mar emoldurando-lhe as retinas, que, num acaso, encontraram as dele.

Quer um café? Aceito. Cigarro. Parei. Barulho da chuva. O cheiro suave de um dia. Prosa e poesia entremeadas de fumaça e nicotina. 

Antes de entrar no elevador, subindo em direção ao apartamento dele, ela ainda pensa no horóscopo, e percebe que a vida é bem mais prazerosa, quando decidimos desafiar o destino.

Nenhum comentário: