30 de dez de 2013

Uma Quase Retrospectiva!

Tô cansada, cansada, cansada, mas feliz. Ainda não consegui colocar a casa de pé, mas tá quase. Limpei armário e me desfiz de mais de um saco de roupas, organizei os brinquedos do Dani e foram mais dois sacos.

Ripei metade dos meus livros e já levei tudo pra doação. Sensação maravilhosa de desapego!

Agora, a melhor parte foi organizar hoje um canto meu, decorado com flores e o carinho das amigas! Moro aqui há sete anos e nunca tinha sentido vontade de arrumar a casa pra mim...

Para vocês entenderem, quando casamos, tínhamos uma casinha de bonecas, tudo decoradinho e perfeito. Dai fiquei desempregada e o salário do Marcelo não segurou o apê, então fomos para casa da minha mãe - nós desfizemos de praticamente tudo do apartamento, afinal, saímos de uma casa para morar num quarto. Chorei achando que ia morrer, entrei em depressão, engordei 10 kg em sete meses... 

Arrumei um emprego de merda, na barra da tijuca, que só permitia uma sobrevida, não dava ainda pra sonhar com uma casa nossa de novo. Chorava todo dia na ida, na volta e dentro do banheiro do emprego, onde patrões estúpidos gritavam e agrediam os funcionários todos os dias.

Trabalhava de segunda a sexta, mais de 10 horas por dia - se incluísse o transporte, eram 12 horas na rua. E final de semana, tinha que atender aos chefes, consertar pc, assessorar, fazer N coisas que não eram minha função, eu era web designer e web writer.

Depois de nove meses nesse inferno, pedi demissão, depois de ter um projeto meu roubado pelos meus chefes, que se recusaram a me pagar a criação do mesmo!  Para receber os meus direitos, tive que entrar na justiça e depois de ser ameaçada, aceitei um acordo...

Nessa altura, já pesava 20 kg a mais e estava me sentindo muito merda. Sai da casa da minha mãe e fui para a casa dos meus sogros, nos desfizemos de mais um pouco do que tínhamos. 

Então, engravidei e para garantir hospital e acompanhamento mais próximo. Voltei pra casa da minha mãe. Marido adoeceu nesse período. Teve hipertiroidismo. Emagreceu mais de 30 kg em um mês. Ficou mal. E apesar de tudo, tive uma gravidez tranquila até o oitavo mês, quando tive diabete gestacional (estava com 100 kg) e embora tudo se encaminhasse para o parto normal, tive um problema no final da gravidez que obrigou a uma cesárea. 

Na minha depressão não consegui organizar nem um chá de bebe. Dani tinha uma meia dúzia de roupas, um carrinho moisés dado pelos padrinhos e nenhum berço - que só apareceu no dia que voltei da maternidade, comprado as pressas. rs

Foi um parto ruim, com dor e maus tratos por parte dos enfermeiros e médicos do hospital particular. Mas, o principal era que meu filho nasceu ótimo e muito esperto.

Mas, ainda morávamos num quarto na casa dos outros e eu só conseguia pensar em como criaria uma criança naquela situação. Isso era janeiro.

Em novembro, a virada começou e fomos morar na nossa atual casa. Era um bairro que nunca tinha morado antes, na zona norte, boa parte da minha vida, morara na Zona Sul. Fomos para a nova casa praticamente só com a roupa do corpo, as coisas do Dani (um berço, um carrinho e roupas).

Talvez pelo estranhamento do bairro, talvez por tudo que havíamos passado, tive dificuldade de arrumar a casa e transformá-la em lar. A casa era limpa e arrumada, mas extremamente impessoal, nada de quadros, nada de enfeites, nem mesmo as coisas que faço eu colocava. Sete anos assim. 

Mas, algumas coisas começaram a mudar na minha cabeça esse ano. Uma necessidade de transformação e mudanças que começaram a gritar dentro de mim. E aos poucos as coisas foram acontecendo. Parar de fumar foi a primeira grande mudança. Desde abril não compro cigarros! 

Larguei não só o cigarro, mas fui abrindo mão de tudo aquilo que me fazia mal, sai da feira de Laranjeiras, rompi com relações doentias, mudei padrões de comportamentos errados, cujas consequências sempre eram dolorosas...

Doeu, por que toda mudança dói. Mas, sinto que estou trilhando o caminho certo. 

Outra grande mudança foi a entrada na dieta, estou fazendo há 30 dias e perdi 9 kg. Estou disciplinada, mais organizada e ainda consegui fazer com marido e filho me acompanhassem em busca de uma maior qualidade de vida!

Ainda não tenho quadros em casa, e a decoração está só dando seus primeiros passos, mas aprendi que mesmo com a grana curta, decorar não é frescura, mas é a construção de laços afetivos com o ambiente que moramos. E pela primeira vez em anos, sinto que preciso criar e fortalecer esses laços.

9 comentários:

Fernanda Reali disse...

e ujá estava chorando por conta do filme que estava assistindo. lendo teu texto, chorei mais. eu te entendo, porque tenho visto todas as tuas mudanças de perto nos últimos 3 anos. Te encorajo, te admiro, me orgulho de ti! Beijooooo

***"Doeu, por que toda mudança dói. Mas, sinto que estou trilhando o caminho certo." Perfeito ***

Cláudia Pinto disse...

Olha Pat, te admiro pela força que você tem, parar de fumar e ainda emagrecer, são pra poucas pessoas.

Não sabia desse lance da tua casa no que diz respeito a decoração, mas que bom que você esta percebendo que na verdade ela é um lar, que você vai colocar a sua impressão, independente do bairro e da grana que se tem.

Parabéns pelas conquistas, pelas mudanças e que em 2014 aconteça outras tantas coisas boas.

beijooo

Crys Leite disse...

Quando conhecemos alguém na internet não imaginamos um quarto do que a pessoa passou. Ainda mais hoje em dia em que as pessoas sentem necessidade de mostrar a perfeição, de mostrar uma vida de comercial de margarina. Gosto de gente de verdade, gente que tem história. E nem em contos de fadas as histórias são 100% felizes. Fico imaginando como foi difícil ter que sair de casa, se desfazer das suas coisas. Acredito que nada na vida é por acaso e creio que isso aconteceu para te fortalecer.

Que 2014 traga em dobro o que ficou faltando em 2013. E a gatinha linda do sorteio tá aqui do meu ladinho. Sucesso!

Palavras Vagabundas disse...

Lindo texto, gostei da sinceridade. Quando me mudei para o Rio, não sentia que aqui era meu lugar,passei uns anos com a casa em modo "provisório", até que comecei a me ambientar. De qualquer forma levei 20 anos para vender minha casa em SP e comprar uma aqui. Moro no Rio a 27 anos e não quero sair daqui!
Decoração é um belo jeito de dar nossa personalidade a nossa casa, não precisa ser de revista, precisa ser a nossa cara.
Um Feliz 2014 cheio de realizações!
beijos
Jussara

Anabel Mascarenhas disse...

Pat, fico feliz de saber que 2013 foi um ano mais do que positivo pra você! Sem cigarro, sem relacionamentos doentios, sem os 9 quilos... você está no lucro mesmo!!!
Beijo, querida, e um 2014 de muita, muita paz pra você e sua linda família!!!

Colecionador de palavras disse...

Nossa, que trajetória! Realmente um mundo de reviravoltas e transformações desses laços que tanto podem ser pontes ou nós dependendo de o que os alimenta. Admiro sua coragem e a forma e a intensidade de suas palavras. Realmente, decorar a casa pode nos levar a decorar a vida. Decorar como sinônimo de preencher esses espaços de afetos. Parabéns pelas conquistas e que elas se fortaleçam e levem a outras mudanças.

Cris Guimarães disse...

Pat, você demonstrou força e nem por isso perdeu a ternura e a leveza. Super entendo o que você passou e fico feliz por tudo estar se ajeitando.
Beijos, feliz 2014!!

Maria Teresa Valente disse...

Oi Pat, amei conhecer você mais um pouquinho e saber o quanto é vitoriosa, desejo que 2014 seja repleto de realizações, que seja sempre muito abençoada com saúde amor e prosperidade, abraços carinhosos Maria Teresa

Glaucia Schuindt disse...

Uau!! Que texto e história!
Muito bonito esse recomeço e essa força de vontade de fazer tudo ser melhor.
Parabéns!!