11 de jul de 2012

Percepções

Por que tristeza não tem hora, dia ou lugar. Ela não avisa. Invade. E de repente seus olhos se inundam de uma melancolia desconhecida. Você está ali, quieto, na condução lotada e subitamente percebe que é preciso sair dali, agora, já. Mesmo que esteja passando por um viaduto, uma estrada no meio do nada para coisa nenhuma. Mas seu coração não sabe, seu coração pede socorro e dói. Uma dor profunda e perfurante sem origem, sem nada. Tudo que se sabe é antes que as lagrimas cheguem você precisa estar ausente daquele espaço, onde todos estão preparados para tudo, menos para sua dor. E você masca um chiclete, cantarola uma música qualquer repleta de felicidade, encara o estranho quadrado cinza da paisagem, morde lábios, trinca os dentes... porque a dor é sua! Egoisticamente sua e não quer, e não pode compartilhá-la com outros que não você mesma. Outros que também tem suas dores secretas... E você se tranca de tal forma, que nem percebe que existem lágrimas em todos os outros...

Um comentário:

Um espaço pra chamar de meu disse...

Fico bem assim às vezes, o que me salva na hora que não posso pular do ônibus são os óculos escuros...
Todo mundo tem uma dor guardada e lágrimas para serem choradas!!
Bjs, Pat!!!