7 de out de 2011

Sobre a (in)Tolerância Nossa de Cada Dia.

A amiga acaba de contar um causo do serviço, de como um determinado funcionário foi execrado pelos demais companheiros, por conta de uma falha, ou melhor um erro bobo, de pouca consequência. Tão pequeno, que poderia ter passado batido, com uma conversa de alguém mais próximo, tenho certeza de que estaria tudo resolvido. 

No entanto, houve por parte de várias pessoas, um apontar de dedos, um julgamento e uma condenação tão veemente, que o homem que errou, não aguentou a pressão e optou por pedir pra sair da empresa. A amiga conta que ninguém parou pra pensar, que aquele funcionário tinha anos de casa, exemplar, filhos pequenos, contas para pagar. Não, nada disso foi levado em consideração, o importante, a partir de determinado momento, nem era o erro cometido, mas toda a condenação que acharam por bem, que ele merecia.

Esse causo me fez pensar o quão pouco tolerante estamos nos tornando. Outro dia escrevi no FB que às vezes tinha a sensação de estarmos voltando a Idade das Trevas, onde pessoas eram queimadas nas fogueiras, baseadas em acusações de bruxaria, por vizinhos insatisfeitos. Atualmente, parece que estamos sempre prestes a apontar o dedo, acusar, julgar e condenar quem quer que seja, sem sequer dar direito ao outro, de uma resposta. Alias, que outro? Se vivemos tão cercados de espelhos, que o máximo que enxergamos é o nosso próprio reflexo. E, quando não enxergamos o outro, com suas qualidades e defeitos, como todo ser humano, inclusive nós mesmos, fica quase impossível, sermos tolerantes...

Apontamos o dedo e condenamos por tudo: uma frase mal dita,  um comportamento que julgamos inapropriado, uma atitude que discordamos, tudo (ao mesmo tempo, nada) é motivo para abrirmos um processo inquisitório e jogarmos alguém na fogueira (das nossas vaidades).

Tenho percebido que na internet isso se amplia. Talvez por estarmos todos atrás de um monitor, esqueçamos que atrás de um outro monitor, existe um ser humano, igualzinho a gente, com as mesmas fraquezas, imperfeições - mesmo que finja perfeições, por que o anonimato do monitor permite que escondamos nossas lágrimas, enquanto escrevemos coisas engraçadas,  afinal de contas, lágrimas também não andam sendo muito toleradas ultimamente.

Andei lendo essa semana alguns blogs que falavam sobre o que era para eles, ética na internet - existem opiniões diversas sobre o assunto, o que me lembrou uma aula na faculdade, onde o professor ressaltou que assim como não existe uma única verdade, não existe uma única ética - claro, existem comportamentos padronizados que permeiam essa definição. 

Algumas coisas foram mais ressaltadas nessas publicações: o conteúdo do que você publica e o conteúdo daquilo que você comenta, cada um seguindo seus critérios éticos defendia seu ponto de vista. Mas, me assustou também o grau da intolerância de alguns posts, o que é certo pra uns, exemplo: comentários com palavras de verificação ou moderados, não o é para outros que não gostam disso, mas não chega a ser antiético. 

Copiar um texto/imagem colocando a origem (link) de onde foi copiado, pode ser deselegante, principalmente se não há aviso anterior, mas não é antiético. Seria antiético e até mesmo ilegal, se esse texto/imagem fosse colocado sem autoria, sem link de origem. Se houvesse qualquer tipo de modificação, além de antiético, seria também considerado plágio. 

Alias, só para esclarecer, plágio é quando alguém pega nosso texto/imagem, modifica parte dele e se apropria da autoria (fonte Wikipédia). Roubo de texto/imagem -  sou gata escaldada no assunto, vide o passado - é quando pegam seu texto/imagem e utilizam SEM colocar AUTORIA/LINK, muitas vezes, atribuindo a outro a autoria dos mesmos.

Por que entrei nesse assunto de ética etc - porque a intolerância também permeia esse debate. Pra mim, ética na internet é respeitar o outro, ou melhor, entender que existe uma pessoa do outro lado da tela, e não um personagem. E por ser uma pessoa, é passível de erro, assim como nós, então, antes de acusar, julgar, condenar, que tal entender o que levou aquela pessoa a fazer aquilo? Que tal conversar e educadamente chegar a um denominador comum? 

Claro que existem pessoas cuja intolerância, não vai permitir que possamos ter esse tipo de atitude, para essas, a exclusão da sua vida virtual é sempre a melhor saída, afinal, antes de tudo, o seu uso da internet tem que ser prazeroso. 

15 comentários:

Carine Gimenez disse...

Nossa Pat parece que você leu meus pensamentos, ando pensando muito nisso.
Observo coisas em blogs,TT e FB que me deixam chocadas.
As pessoas esquecem que quando apontam um dedo pro outro há três apontados em sua própria direção.
Um show de intolerância e hipocrisia.
Beijos.

Glorinha L de Lion disse...

Oi Patrícia, confesso que muitas vezes sou intolerante, procuro me corrigir e julgar menos, mas às vezes é inevitável, faz parte do SER humano...Olha, li seu conto no livro Vidas e achei maravilhoso: sensível, bem contado, vc se revelou ali, uma escritora de verdade. Parabéns, fiquei encantada com sua sensibilidade e excelente escrita. Beijos,

Tays Rocha disse...

Bom, comentário-post vamos lá... hoje ainda eu disse no TT sobre o quanto eu ando intolerante, e é na vida real mesmo, mas são com coisas e situações que me afligem e não propriamente com pessoas... mas enfim, intolerância é intolerância, ainda que só faça mal à mim mesma.

Quanto à net... me cansei, não só da intolerância, mas de muitas outras coisas, estou voltando devagar. Nem participar da qualquer blogagem coletiva no momento eu quero. Mas tenho lido boa parte delas... sofri um episódio de plágio e está lá no meu blog, denunciei, desabafei, linkei a envolvida e fim. Assim como vc disse, eu pensei na pessoa e cagada todo mundo faz, alguns fazem algumas grotescamente gigantes e outras menores, mas todos fazemos. Por isso não denunciei ao blog, não queimei a garota em fogueira e praça pública, deixei ela lá... pensando no que fez e sentindo as consequências. Fim.

Esse é o maior castigo e punição, quando nossos erros e cabeçadas nos cobram em silêncio as nossas atitudes e ficamos expostos e desnudos aos julgamentos alheios... dói, a indiferança, a setença... dói mais que qualquer coisa. Tudo tem seu preço, comprou, tem que pagar, simples assim. Enfim o que quero dizer é que na net ultimamente TUDO vira um evento, acontecimento, carnaval, desde um modo seu de usar uma rede social, (se deu bom dia é porque deu bom dia, se não deu é porque não deu), até a pretensão e audácia de pessoas acharem que podem vir ditar regras e dizer como o blog dos outros deve funcionar. Não creio que os últimos casos que vi em relação à plágio tenham sido de má fé, existe muita gente nova nos blogs, existe muita gente que não sabe exatamente como funciona a blogosfera, e mais feio que o plágio é fazer dessas pessoas bodes expiatórios das nossas vaidades.

Como sempre, perfeita, me faz pensar e repensar e repensar. Aplaudo ;oP

E em fez atrasar o almoço!!!!!!!
kkkkkkkkkk

Beijocas ♥

Andreia Lica disse...

Posso ser sincera?
Eu já fui muito mais intolerante, mas aprendi uma coisa, muitas coisas eu não comento, reflito, percebo a minha intolerancia, e não comento, acho que refletir me fez pensar que muitas vezes não precisa alardear, pq como vc mesmo disse, as pessoas são passíveis de erro. Alardear, as vezes pode só piorar...quer um exemplo? Não tolero erros grotescos de português, mas como não sou perfeita, não fico comentando nem corrigindo as pessoas, reclamo para mim, mas ao fazer isso, analiso a pessoa, pois muitas vezes o erro é cometido por uma pessoa que não teve tantas oportunidades e com isso, aceito e deixo passar, pois se fizesse qualquer comentário, poderia expor a pessoa ao ridiculo (principalmente no mundo virtual).
Não há certo ou errado em diversos meios, principalmente o virtual, pois o que é certo para mim, pode não se ro certo para ti. Só há certo e errado quando se fala em crimes, atentados etc...e ainda sim, quem cometeu esses atos tem a sua versão, nem sempre aceita, mas acha que teve motivos para o mesmo.
Por isso tenho participado cada vez menos do TT.

Bjão

Rosa Branca disse...

Oi Paty que lindo tudo que vc escreveu, concordo plenamente, e a intolerância vem de forma tão agressiva por coisas tão pequenas e essa corrente energética ruim vai se estendendo, ao invés de estendermos a corrente do bem, da gentileza e do amor. A net pode ser um instrumento bom ou ruim depende do nosso bom/mal uso dela. No meu blog divulgo artigos e blogs que acho que podem ajudar minhas amigas com problemas interiores e de relacionamentos que elas mesmas podem arrumar forças e tomar atitudes para melhorem suas vidas e colocar muito mais amor, fé e compreensão nelas, a maioria dos artigos não são de minha autoria o qual eu sempre dou os devidos créditos, mas já recebi tantas mensagens de agradecimento por uma palavra ou frase que leram ali e que transformou o seu dia, e esse é o objetivo, não é a promoção pessoal mais a do bem, de conteúdos de ajuda, sem desrespeitar os autores que são maravilhosos e um instrumento de Deus. O que é bom tem que ser divulgado e também uma forma de divulgar o autor...
Eu estou no momento me sentindo desrespeitada por um outro acontecimento, um blog anunciou um sorteio que concorreriam os seguidores e quem postasse um comentario no post dizendo pq gostaria de ganhar o tal presente,a melhor resposta ganharia, e que seria divulgado o vencedor no dia 30/09 e o presente entregue de 10 a 17/10 eu fui a única que escrevi, então já estava me sentindo ganhadora, porém eles não divulgaram o resultado e não se manifestam de maneira nenhuma, poxa fiquei chateada a gente leva a sério e acontece esse tipo de coisa, é uma irresponsabilidade, não tenho nem ideia de como proceder, vc tem uma dica? já passou por essa situação?
Paty obrigado por seu valioso conteúdo aqui, que Deus te abençoe, um grande bjo.

Macá disse...

Patrícia
Sabe que essa intolerância e o fato das pessoas (não todas, claro) pensarem só em si também está me cansando.
Olha um exemplo: Eu moro numa rua pequena onde cabem apenas alguns carros e de um lado só da rua.
Esta semana cheguei e tinha um carro estacionado do outro lado o que fazia eu não poder entrar na garagem. Procurei uma vaga em toda a rua; não tinha.
Já estava me prontificando a deixar na rua lateral, quando o guarda da rua já veio ordenando: não, deixa aqui mesmo.
Argumente que daí ninguém mais poderia passar e ele respondeu:
- É pra isso mesmo, vão começar a buzinar, eu vou chamar o DSV, eles guincham o carro e pronto. Onde já se viu, blá,blá,blá....
Tudo bem, atrapalhou, mas não é uma coisa comum e também não acho que o cara tenha feito de propósito.
Coloquei o carro em outro lugar e logo depois chega o cara.
Meu marido comentou com ele: -OH, cara, aí não dá pra parar e ele pediu mil desculpas, disse não reparado, e pronto.
SE ABORRECER, PRA QUÊ?
Mas hoje parece que as pessoas perdem a paciência por nada.
bjs

Luci Cardinelli disse...

Também li diversas postagens sobre ética, respeito e coisa e tal... Muita gente escrevendo sobre isso, mas que não pratica. Palavras são fáceis de serem escritas e ditas, mas o importante é a atitude, é assim que vc conhece as pessoas.

Muitas coisas como essas, só são usadas para pessoas que vc gosta, do seu grupo, as demais....

parabéns pelo post, embora eu saiba que todos pessoas que deveriam aprender com ele devem estar falando mal

ótimo final de semana!

Celina Dutra disse...

Patrícia,

Excelente post. Mas sabe o que de fato me deixa triste? É num mundo de pessoas que, imagino esclarecidas, pois são até autores de blogs, ser necessário discutir temas, como respeito, educação, gentileza, que estão sendo violados nesse mundinho. Ética! O que é ética? Pra mim é respeitar o semelhante. Nesse mundo de gente esclarecida ter que estar rediscutindo isso? O homem está retrocedendo? Uma pena!
Girassóis nos seus dias.
Beijos

Anônimo disse...

Olá!

Tentei ser o mais ética possível com você quando lhe escrevi lhe pedindo permissão para uso de um de seus textos publicados aqui - espaço que sempre visito por prazer de leitura - inclusive lhe pedindo que indicasse, caso fosse liberado, forma de pagamento pelos direitos autorais. Aproveito a postagem para lhe proporcionar uma reflexão: o descrédito a este tipo de atitude (e não resposta) também pode ser considerado antiético. Mas que fique a certeza - assim como lhe disse por email: não usamos o seu texto.

abraços

Aucilene Freitas

Lin Sousa disse...

olá, agora que estou lendo seu ótimo texto e vendo que ele vem de encontro ao que venho sentindo por esses dias : o que deveria ser divertimento torna-se moivo de aborrecimento ... eu tenho um blog modesto há apenas 2 anos e foi feito para eu aprender e conhecer mais do artesanato que eu gosto .. logo no primeiro ano participei de muitas troquinhas mas teve algumas pessoas que não cumpriram as regras e me deixou a ver navios , ou seja, eu mandei mas não recebi .. o que eu fiz? passei a participar menos desses eventos ..há pouco tempo me incluí no twitter com o intuito de me divertir , falar o quer quiser, zoar novelas , etc ..pois vejo que esse mundo virtual é sério demais .. vc não pode falar nada , que já te unfollow, te criticam , te inibem .. já aconteceu comigo , onde trabalhava, um episódio parecido com o que vc relatou mas aguentei firme pq sabia q a verdade apareceria .. tb não concordo com muitas opiniões mas prefiro não polemizar .. se aborrecer virtualmente já é um pouco demais visto que no real os aborrecimentos já nos bastam .. eu já publiquei em meu blog trabalhos de outras blogueiras, citando nome , link e tal e mesmo assim algumas pessoas me parabenizaram.. sinal de que não leram a introdução do post...muitas pessoas passam os olhos apenas ..a pessoa que postou sobre o malware da Elaine a citou no início e poderia ter dado só uma dica para induzir o leitor a se direcionar pro blog de origem mas preferiu copiar todo o post e deu no que deu .. ..mas cada é cada um.. e se digo que somos iguais sempre penso pelo lado das qualidades , pelo que que temos de bom...nunca pelo que temos de ruim..mas é isso, obrigada pelo texto (escreverei algo assim , quando crescer ...)bjks LIN

Fernanda Reali disse...

Concordando ou discordando, eu sempre adoro ler o que tu escreves, porque a argumentação é perfeita.


Se tu plantas girassóis lindos e eu adoro todos eles, posso te pedir uns e distribuir, mas não posso arrancá-los do teu jardim e distribuí-los, mesmo que em cada um deles tenha um cartão fofo dizendo: Girassóis da Patrícia Daltro.

Quero destacar um ponto: copiar um texto e dar o crédito só é aceitável se for texto de domínio público ou se for autorizado pelo autor.

Chegar no teu blog, ler, copiar tudooooo, control C + Control V e dizer que foi para te homenagear, não pode.

Chama-se contrafação (vi no google).

Copiar um trecho e por o Leia Mais com o link para o blog do autor é ótimo! Gera visitas para ambos.

O que fizeram com Elaine e com Rejane nesta semana, foi roubo. Copiaram 98%
do post com imagens e as citaram, mas não pediram e nem receberam autorização.

Beijoooo

Telma Maciel disse...

ótimo o post. Pat. Acho que gera mtas discussões, uns concordam, outros não. O que existe na internet é o BOM SENSO e mta gente não tem isso. Mta gente faz por maldade, outros por não saberem. No início mesmo eu copiava imagens e pronto. Nem passava pela minha cabeça que eu precisava dizer que onde tinha copiado! Aliás, isso tem pouco tempo!
O complicado é que mta gente não se preocupa... tem uns q dizem "internet é terra de ngm, se colocou lá eu posso copiar!" Ok, pode copiar. Mas não use. Eu tenho várias imagens de inspiração e sei que não vou usá-las. pq? Pq não lembro de onde tirei...
Mas acho, sim, muito importante cada um ler textos sobre ética e procurar saber o que realmente pode ou não, pra não correr riscos à toa.
Beijos

Clau Finotti disse...

Oi Patrícia!

Abordagem perfeita! Há meses queria escrever sobre a tolerância, ou melhor, INtolerância que se comete na vida virtual (porque nesse caso especificamente queria falar disso e não da vida real).

Um dia jogaram pedra numa moça que saia fazendo propaganda de um produto que ela vendia, sem sequer ler os posts e por coincidência tava lá um post de uma blogueira triste pela morte de um parente e embaixo, entre os comentários pesarosos estava escrito:"visite meu blog, vendo XXXX (nome do produto)." Tá, tô adaptando tudo, não era exatamente assim, mas não quero identificações ou carapuças sendo colocadas.

O fato é: vamos ser realistas, blog para mim e para a maioria é prazer, é diversão, mas para muitas pode ser o GANHA PÃO.

Se você tem 12 horas para trabalhar duro e meia hora prá divulgar seu trabalho, vai dar tempo de ler tudo? Claro que não.

É agradável ver isso num post que gastamos um dia todo prá escrever? Também não, mas temos que ter a famosa empatia, nos colocar no lugar do outro sempre.

Eu esses dias postei um monte de coisa que não gostava, num post específico sobre isso, mas depois refleti: eu mesma já cometi muitos erros sem saber. Eu achava que copiar um bom texto citando a fonte e linkando apenas não era errado.

E a história de você ver uma ideia na net e fazer parecido e ter que para sempre citar linkar a fonte inspiradora parece bizarra prá mim.
Podem me jogar pedra, mas parece...rs...

Esses dias uma blogueira foi no meu blog, viu umas latinhas recicladas e disse que ia fazer parecido, mas fez questão de avisar que ia me citar como inspiração. Se quiser fazer isso bom, mas não vejo como obrigação, não no meu caso, que não sou profissional, não vivo disso. São apenas umas latinhas simples que muita gente faz até melhor.

Ah, se não concordarem comigo, pelo menos sejam tolerantes, viu? rs


Beijos, ótimo sábado!

Clau

Cissa Branco disse...

Patrícia,

Ótimo texto para reflexão, confessor que sou intolerante às vezes, mas percebo que em grande parte isso acontece porque diariamente engolimos muitos sapos, vamos relevando e de repente, explode, com a pessoa errada muitas vezes, mas acontece, questão de maturidade que ainda me falta. Tenho dificuldade em dizer não e acabo abraçando o mundo, chega uma hora que explodo, feio né?!
Quanto a questão de copiar texto e imagem, mesmo colocando a autoria, ainda é crime, falei sobre isso com a Elaine Gaspareto ontem, e ela me disse até como chamava, só que esqueci. Para publicação de texto ou imagem é necessário a autorização, casa contrário é crime contra propriedade intelectual.
Só não entendo como tenho visto nos posts que estou fazendo das coisas que não devemos fazer na net, é que as pessoas se ofendem com picuinhas, coisinhas chatas, porém bobas, e as coisas realmente preocupantes elas não se atentam.
Grandes beijos

.Intense. disse...

Dei uma passada de olho pelos cometnários anteriores aos meus, e fiquei tentando ser imparcial - tentando tirar pra fora o que realmente tem me incomodado nesse sentido na net.

Nunca fui plagiada - se fui não sei, mas acho que não tou pra tanto, ahauhauhauahuah...sobretudo, meu blog fica fora das buscas automáticas, o que poupa mta dor de cabeça, mas tb evita muito que eu descubra esse tipo de coisa.

O que tem me irritado na net é como uma coisa corriqueira vira algo que precisava ser comentando 1.488 vezes. Comenta-se, posta, twitta, tá no Face, nas manchetes do msn, e de repente todo mundo é perfeito e pode comentar e re-comentar aquilo até à exaustão.

Eu canso. E, muitas vezes, sabe o que eu faço? Me faço de árvore. E sigo em frente, sem ler e sem comentar, só pelo prazer de não comprar a briga - minha briga com a vida já anda dificil demais pra assimilar mais coisas...
:/
:*