23 de jun de 2011

A Versão da Madrasta

O problema é que ninguém nunca quer saber o outro lado da história. Acostumados com a versão da princesinha e do príncipe encantado, ninguém quer ouvir o que a madrasta tem a dizer. 

É fácil isso. Afinal, sou a Má-drasta, má logo no inicio, então ta. Como poderia ser diferente do que eles contam? 

- Ei, você ai, me dá uma bebida bem forte. A mais forte, que tiver! E vê se não demora, viu! 

Então como estava dizendo. Você acredita que me casei duas vezes, DUAS vezes – uma cheguei a ser rainha e fui expulsa de casa as duas? E por causa de quem, de quem? De criaturas mimadas, que não queriam repartir o paizinho comigo. 

E, olha, o pior não é isso... – Ei, cadê minha bebida! – o pior, é criar uma filha, cuidar dela e quando ela crescer, me largar que nem roupa velha... Vou te contar, eu penteava os cabelos daquela ingrata, vinte vezes ao dia, cem escovadas prum lado, cem escovadas pro outro. E o cabelo dela era imenso! Juro, dava voltas e voltas... A tal da Rapunzel, daí foi só aparecer um principezinho de merda e ela me largou e ainda inventou um monte de coisas sobre mim! Que eu a prendia numa torre e subia pelos cabelos dela. Afé, como eu iria subir pelos cabelos de alguém?! Era uma escrava da garota, isso sim! Fazia comida, arrumava a torre, contava histórias para ela e penteava aqueles cabelos... Sabe que tenho pesadelos até hoje com isso? Acordo sufocada naquelas tranças gigantescas. E no dia que ela teve piolho?! Estremeço só de lembrar...

- A bebida sai ou não sai?! Lugarzinho furreca esse, heim? Meia hora para beber alguma coisa! Achei que você tinha ido fabricar a bebida! Dá logo esse copo! 

Mas, então, eu era uma menina quando casei com o pai da Branca de Neve, é, essa mesma que agora é rainha. Bah! O rei tinha acabado de ficar viúvo e com uma filha pra criar, como meu pai tinha posse, (antes de perder tudo no jogo, agora o miserável vive me pedindo dinheiro!), foi quase natural que casássemos, daí a guria cresceu, ficou bonita e intragável! Vadia, com V maiúsculo. A filha da mãe se apaixonou por um guarda do castelo e fugiu com o desgraçado pra floresta, alugaram a casa dos anões e passaram uma temporada por lá. 

Quando a relação deles fez água, inventou a história de que eu queria matá-la, vê se pode! Armou com os anões, engabelou o príncipe a acabou com meu casamento! Por causa dessa zinha, amarguei anos nas masmorras do reino!

- Posso pedir mais uma? Então, por favor, manda mais uma caprichada!

Você não imagina o que tive que fazer para fugir daquele lugar, nem para quem tive que dar. Um horror! Um horror! 

Fiquei algum tempo escondida, até me inscrever num desses realitys de transformação. Ah, foi ótimo, fiquei linda de novo. Fui embora daquele reino, não sei nem pra quê. Acabei me apaixonando por um lorde decadente, que tinha uma filha, a tal da Cinderela. Hum, outra que não vale o chão que pisa. Essa embirrou quando engravidei e tive as gêmeas. Meninas lindas e educadas, mas que sofriam nas mãos da minha enteada. Que inventava milhões de histórias para o pai, toda vez que ele voltava de viagem. Infelizmente, ele viajava muito e toda vez era a mesma coisa, era só chegar e pronto, ela dizia que eu a escravizava e a fazia de faxineira. Chegava ao ponto de se rasgar e sujar o rosto. Nosso casamento virou um inferno, até ele morrer e eu ter que ficar cuidando de três jovens... Estava doida para conseguir um bom casamento pras minhas filhas e ficar em paz. 

Ai teve  a história do baile. A desgraçada da Cinderela roubou todo o nosso dinheiro para comprar um vestido exclusivo e até minhas jóias entraram na dança! Minhas filhas, coitadas, foram pro baile com vestidos de segunda mão. Mas, o pior, foi o sapato. Eu tinha comprado pra mais bonita das gêmeas, um sapato lindo. Todo trabalhado em pedrarias. Lindo, lindo... Minha pequena tinha encantado o príncipe que dançara com ela a noite toda, mas Cinderela, com ciúmes, na hora de irem embora, empurrou a menina das escadarias e ela além de perder o sapato, ainda torceu o pé. Ficou uma coisa horrível, roxo e inchado. Cinderela aproveitou a confusão para roubar o sapato, mas como os guardas já estavam chegando, só conseguiu pegar um pé.

O resto você já conhece, o príncipe foi de casa em casa, com um pé do sapato, atrás da mulher que dançara no baile. Chegando lá, claro que minha filha, com o pé roxo e inchado da torção, não poderia calçar o sapato, daí a maldita, apareceu com o outro pé, e pronto. Se casou com o príncipe e ainda expulsou eu e minhas filhas do reino...

Imagina minha situação, pobre, sem casa e com duas adolescentes a tiracolo. Uma das gêmeas mandei pra casa da vó, depois descobri que teve um incidente com um lobo no caminho e acabou se casando com um lenhador, menos mal. 

A outra foi a tal dos cabelos compridos, que te contei no inicio. Rapunzel. Humpf! Hoje ela está se casando com o tal que a “resgatou” da torre! Esqueceu completamente da mãe, a ingrata... 

- Tá, eu sei que está na hora de fechar, mas libera mais uma dose, vai! Eu pago.  Hoje fiz uma descoberta ótima, achei um castelo abandonado, parece que uma bruxa almadiçoou a menina e ela furou o dedo numa roca e ta todo mundo adormecido por lá...  Digamos que peguei algumas coisas emprestadas por lá, não muita coisa, fique claro, por que ladra eu não sou! Um anel daqui, um cordão dali, afinal de contas, um dia tem que ser o dia da madrasta.

17 comentários:

Fernanda disse...

Mas que bela história... as coisas vistas por todos os lados ficam mais claras... e as madrastas devem se transformar em boadrastas...

beijinhos

Iara disse...

Háháháhá, alguém conseguiu colocar um humor doce nas histórias de princesa.
Fiquei até com dó da madastra agora, só conseguiu casar com homens que já tinham filhas pra persegui ela.
E vamo combina que existe um monte má-enteada por aí mesmo. Tá na hora de mudar um pouco as histórinhas.
Amei Pat e muito

Lola Sciwinzki disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Achei super engraçado, e muito criativo.
Mas eu tenho trauma de madrastas e epsero q todas paguem de forma bem sofrida.
Bjks.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

hahahah mto bom!
mas é, sempre a madrasta é a má?
toda enteada é uma cinderelinha né? sei...

adoro qdo vc reescreve o mundo chavão, dá um upgrade nas velhas histórias do mundo.

bjs

Cintia Branco disse...

Patrícia,

Perfeito!!! Vai e registra logo que esse com certeza vai girar por toda a internet.
Beijos

Cristiane Aguiar disse...

Amei essa versão, o lado B das estórinhas, muito divertida, boa sexta p/vc.

Simone Aline disse...

kkk Rolei de rir com sua versão Patrícia! Lá no cantinho eu escrevi uma vez sobre as histórias infantis na "versão original" (q são de arrepiar ainda mais...).
Em nenhuma delas tem uma versão mais light tb para as "má-drastas"!! rsrs
Adorei o post! =)
Bjks

Majju disse...

Adorei e compartilhei no FB.
Beijos!!

Ise disse...

Muito interressante a versão da
mádrasta
kkkkkk
ri muito por aqui
bjs

Mafalda Cohen disse...

Muito interessante esse revés da história! Gostei muito da sua forma de escrever!

Abraços da Mafalda!

Matheus Farizatto disse...

Patrícia DO CÉU!!!
Pelo amor de Deus, PARABÉNS é pouco!

Adoro suas versões das fábulas e mais ainda da PERFEIÇÃO com que você costura as histórias.

Parabéns de novo!
E rolei de rir com: "Sabe que tenho pesadelos até hoje com isso? Acordo sufocada naquelas tranças gigantescas" – ahuahauahua

Beijo com adminiração!

Josiana Leite disse...

Adorei o outro lado da história, e sempre bom ouvir o que o outro tem a falar. Divertido, bjss.
Josiana Leite_ decorafino

Amanda Lemos disse...

Gostei bastante do Blog.
Muito interessante !

É bom ver a cada dia que passa mais originalidade nessa "blogosfera". :)

Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir..;
http://bolgdoano.blogspot.com/

Muito Obrigada, desde já !

Nin@'s Cupcakes disse...

Paty, sensacional é pouco!

Bjks

Celina Dutra disse...

Patrícia,

Muito bom pensar tudo às avessas, ou de outra maneira!

O mundo seria bem mais divertido!

Beijos

Favuca disse...

Muuito legal!!!!

Clau Finotti disse...

Pois é... toda história tem dois ou mais lados, né? A pobre madrasta nunca tinha tido voz até você aparecer...rs...

Adorei a imaginação. Mas vê se arruma um final feliz pra essa Heleninha Roitman dos quadrinhos, tira ela do alcoolismo e transforma numa diva.

Beijocas.

Clau