30 de ago de 2010

Uma Mulher de Futuro

Sim, eu sou capaz de matar uma barata sozinha. Descobri isso ontem a noite.  Esparramada no carpete, vendo besteira na tevê, quando ouço o inconfundível som da besta fera.

Uma das características fundamentais das mulheres é nossa incrível capacidade de ouvir o barulho de uma barata. Um som que não sou capaz de reproduzir, talvez depois de uma dúzia de tequila, mas não é o caso. 

Como eu ia dizendo, estava lá, tranqüilamente vendo tevê, quando ouço. Minhas orelhas ficaram em pé, meus sentidos aguçados, o olhar percorrendo todo o recinto. 

Então a vi. Encostada no rodapé, apenas esperando a certeza do ambiente despreparado para garantir seu ataque. Levantei, olhando fixamente a bicha, enquanto uma das mãos tateava em busca da redentora sandália de dedos.

Um silêncio de faroeste nos cercava, eu ali, parada, havaianas em punho, ela do outro lado, estática colada ao rodapé. Mentalmente calculei a probabilidade de acertá-la, quase nenhuma, era necessário uma aproximação. 

Dei o primeiro passo. Como se me desafiasse, ela também. Pensei, se errar todo o futuro estará condenado, o mal vencerá definitivamente. Eu era a heroína da saga e não podia haver nenhum tipo de hesitação. Respirei fundo e joguei a sandália, que foi em cheio sobre o corpo da vilã.

Não havia espaço para piedade naquele momento, por isso, corri e peguei o inseticida e em um movimento rápido e indolor, pelo menos para mim, espirrei na terrível monstro. 

Ela ainda estrebuchava sob a sandália e tentando resistir, ensaiou novos passos, tonta com o veneno.

Então, num ato de coragem imensa, terminei o serviço, esmagando-a com a havaiana. 

13 comentários:

Fernanda Reali disse...

Não me fez nem tchum. Já matei mais de 100 num dia, com testemunhas! Ah, e fui atropelada por uma lagartixa na madrugada acudindo o Guga. Acordei todos aos berros, hehe. Cada um com o seu monstro de estimação...

bjs

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

rs...
eu odeio esse bicho. E aquelas que vem voando?
Aqui no Japão nunca vi a barata grande. Tem a francesinha, aquela praga.

Bichinho repulsivo.
seu conto pra variar, é nota mil.
bom dia

Mara disse...

Minha heroína!!!

Leticia disse...

Amiga,
Eu sou como a Fe, tb não tenho problmema com baratas, mas odeio lagartixa... rs... mato fácil, não chamo ninguém, recolho o cadaver e jogo no lixo... rs.
hahahaha!
Beijos
lelê

Patrícia Lerbarch disse...

Eca... meu problema com as baratas é exatamente esmagá-las. Eca...

Bia disse...

Oi Pati... antes de iniciar meu comentário, pera um pouco...

AHAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!! [grito altíssimo de extremo-mega-blaster horror modeon]

Tenho P-A-V-O-R de barata! Sempre pergunto ao todo poderoso o porque dele ter criado esse bicho asqueroso, nojento, nocivo, feladaputa, enorme, cascudo, podre, fedido, esperto, feladaputa novamente, idiota, ridículo, inútil, feladaputa sempre, besta, cagão, esperto e feladaputa eterno!

E vc é minha mulher-maravilha a partir desse instante!

Se uma bicha dessa pintar por aqui, vou te gritar viu?

kkkkkkkkkkkkkkk

Bjs

Giuliana: disse...

Dei gargalhada com seu conto! Hilário...haha

Agora, como Fê e Lelê, não tenho medo de baratas, e não muito de lagartixas (tenho um certo nojo e só), porém, não riam, tenho um receio enormeeeeeeeeee, acho que não chega a medo e sim a giriza, de formiga. =/

Beijos.

Elis (Coisas de Lily) disse...

Eu tenho medo de barata, mas numa hora dessas, em que sou eu ou ela, eu tiro forças do nada e parto pra cima.
Vc precisava escrever novela. Adoro ler o que escreves. Passa um filminho na minha cabeça.
bjs!

Lilah disse...

Não sou uma mulher de futuro.
Não mato baratas. Afinal sou uma mulher casada e homem tem que servir para alguma coisa! kkkkk

Rindo horrores da descrição,mas se fosse comigo o mal venceria com certeza!

Jurubeba disse...

hahahahaha Adorei, a heroína!
Eu tenho pavor de baratas, saio correndo e peço para o marido matar! rs

Beijos

Bella disse...

Achei que só eu ouvia barulho de barata! Meu marido sempre me olha esquisito quando digo que "ouvi" uma barata na área de serviço... ele vai na maior má vontade e lá está a barata, ele fica P* da vida, hehehe. Mas se ele não está, eu faço como vc. Mas pior do que elas são as aranhas... quase morro!!! de medo e intoxicada de tanto veneno que jogo!!! morar no mato tem suas desvantagens, né? Eca!

Vanessa disse...

Quanta coragem.!!! :-) Querida , li seu conto na revista da Lunna , parabéns. Aproveitei e votei no seu blog para virar livro. O Fio tb concorre na categoria cultura. sucesso sempre.

Anônimo disse...

Espero que tenhas usado havaianas legítimas, caso contrário pode contar com 7 anos de tragédias e tormentos às noites...