2 de fev de 2009

Manipulação go home!

Eu havia me prometido não falar sobre bbb por aqui, mas peralá que putz de quarto-branco é esse que garantiu uma imunidade para três dos mais fiadaputa do jogo? Além de dar a eles uma alimentação menos restrita  - até brownie, os caras ganharam! - que o grupo da xepa (Ralf e Newton haviam perdido a prova da comida!)

Resumo da ópera: o tal quarto punk, de punk não tem nada, é apenas um quarto de um sanatório de luxo, que garantiu aos enclausurados ali, mais uma semana na casa, uma aliança - que não tenho dúvida, será formada -  que após a saída, dificilmente se quebrará, e um tiroteio de votos desordenados por parte dos outros jogadores.

Os do lado B não souberam pensar rápido e acabaram, refazendo o primeiro paredão, colocando dois aliados na berlinda. A desculpa do Emanuel para votar em Max não cola. Para mim é coisa de moleque mal resolvido com ciúmes da Priscila (mulher com a qual fica, mas não assume) e Max.

E nessa novela muito mal-feita que Boninho criou, resta-nos o voto no Alexandre – mas muito revoltada, por que na minha lista de “fora-que-ninguém-te-quer” ele figurava lá embaixo, sem contar com o fato de saber que meu voto, indiretamente vai proporcionar a volta dos três que mais detesto ao jogo!

Bem, em nove edições do BBB, cinco eu parei de acompanhar quando a manipulação começou a ficar muito ofensiva aos meus princípios. Tô começando a achar que vai acontecer isso de novo. Õ Saco!
----------------------------
Update: Reescrevendo algumas coisas: o quarto branco no final teve serventia, fez um jogador que já estava surtando, pirar mais um pouquinho e pedir para sair, o quarto deveria mudar de nome é começar se chamar Capitão Nascimento! 

Fez também surgir o vilão que o programa vinha procurando direto - Newton é o grande vilão afinal. Os mocinhos, ou melhor, as mocinhas, vão se delineando aos poucos, a principio a Barbie girl e sua vovó,  e o herói obcecado, Ralf, esse tá dificil de engolir!
O resto, bem, o resto é descartável, como em todas as outras edições. Pena...

Nenhum comentário: