27 de jan de 2012

Mentiras

Finge calmarias que não sente. Resignações que não possui. Ouve frases que machucam com um plácido sorriso no rosto. Implora perdões por erros que não cometeu. Ingere mágoas e tranqüilizantes que permitem um sono sem sonhos, sem planos, sem ausências, que ela finge não sentir.

Fala frases que não acredita e ri, gargalhada triste, enquanto engole o nó que não se desfaz em sua garganta. Oculta na face serena dores intangíveis e se obriga ao riso amargo da ironia, enquanto se veste de forte.

Chora sozinha sentada no frio piso do banheiro, deixando que a água que cai, misture-se as suas águas internas.

3 comentários:

Beta disse...

Que texto lindo!!!

bj

Chris Ferreira disse...

Oi,
que lindo texto!!! Obrigada pelo seu comentário carinhoso no meu blog. Gostei demais!
Um lindo domingo para vc!
Beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

o texto é bem profundo (e claro, nem preciso falar que está ótimo).

muito difícil viver assim, talvez seja pelo bem de todos, mas é muito difícil estar com uma máscara na cara o tempo todo.

que cessem as lágrimas...