16 de set de 2011

A Dificil Arte de Ser

Ela desejava frases impossíveis. Por que o impossível sempre é o mais prazeroso. Desejava beijos de cinema, comendo pipoca. Amores ardentes da telenovela. Príncipe encantado dos contos de fadas.

Rompia com o real em linhas curtas, desejando o unicórnio da beira do lago. Caminhava na areia, no entanto não molhava os pés. Queria a rosa, sem os espinhos. O mar, sem as maresias. A vida, sem os dissabores.

O sonho morava em suas retinas, que insistiam em retirar o cinza e marejada em lágrimas cultivava o azul. Oniricamente caminhava em nuvens e tropeçava em pedras que nunca estavam lá.

No final da tarde, na casa da bisa pedia o chá que tiraria a dor do peito. A bisa sorria e tentava explicar a menina, que crescer sempre seria o desafio mais delicado.

3 comentários:

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

ótimo, Patrícia! mas isso já é normal por aqui rs

adoro seus contos.
bom dia

Tays Rocha disse...

Isso veio tão de encontro comigo hoje, foi um dia de repensar tantas, tantas coisas e me lembrei de mim assim menina, querendo crescer do jeito mais fácil, quando na verdade, aprende-se mais fácil pela dor, do que pelo amor... Como sempre, perfeitas palavras ;o)

Beijos com saudades ♥

Luks Vieira disse...

Crescer, apesar de complicado ainda é uma das artes mais cobiçadas por todos nós.
Att.,
Luks