20 de ago de 2013

Escolhas

Relendo um post de 2011, deparei com esse trecho e hoje ele era exatamente o que precisava ler...

"(...) posso enxergar mais do que meu próprio umbigo, posso escolher entender que se as coisas não dão certo, são apenas coisas que não dão certo hoje! Mas, amanhã, elas podem dar, ou não... Posso aprender a lidar com todos os baixos como aprendizados e posso, principalmente, sublinhar o que acontece de melhor. Viver os altos em plenitude. 

Felicidade é questão de escolha, tristeza também. E sou eu quem decide o que escolher. Sim, querer ser feliz o tempo todo pode virar uma neurose, e é preciso pequenas pitadas de melancolia para não esquecermos da nossa humanidade. Mas, fixarmos nosso olhar apenas no que nos faz mal, também nos retira nossa cota de ser humano. 

Ser infeliz o tempo todo, concentrados no que nos atinge ou ser feliz o tempo todo, "esquecendo" o que nos atinge,  cria uma carapaça de indiferença. E indiferença é o pior de todos os crimes!(...)


3 comentários:

Luci Cardinelli disse...

Costumo dizer que ser feliz não quer dizer não ficar triste, chateada, pois são sentimentos que acontecerão, assim como a alegria. Concordo, o que não se pode é arrastar corrente, alimentar e carregar as tristezas dia após dia.

Drummond sabia das coisas : "A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional"

beijo carinhoso!!

Joana disse...

Acho que o importante é não deixar que as coisas nos abatam por definitivo. Não que seja fácil viver. Acho dificílimo, uma equação complicadíssima, mas se estamos aqui, então que possamos aprender a lidar com todas as circunstâncias: alegrias, desânimos, tristezas, e sermos cada dia seres melhores, afinal, é isso que se leva daqui ;)
Beijinhos

Bia das Letras. Mestre em Literatura Portuguesa pela UFF em 2013. disse...

De fato, o ser humano é complexo, de modo que não faz sentido esperarmos que a vida seja simples, linear. Há as idas e vindas, é isso ajuda a dimensionar as coisas, junto com o andamento do tempo e com o fato de que não ficaremos aqui eternamente. Ou seja, vamos aprender com o dia a dia e buscar felicidades, e não nos apegarmos ao que deu errado.
O melhor mesmo é estar vivo.