5 de nov de 2012

Bem me Quer

Desliza os dedos pelas folhas, suavemente retirando pétalas. Bem-me-quer, mal-me-quer, o que será que o destino lhe reserva? Amor não se escolhe! Frases ditas e repetidas por todas povoam sua mente. Por isso suspira, a espreita da próxima esquina, aonde surgirá o amor encantado que um dia sonhou nas estórias infantis. 

Ao lado, cavaleiro errante, mal percebido, pois suas lentes focalizam o homem inexistente. Aquele que em noites insones a faz debulhar folhas de uma pobre flor. Expectativas do acaso, sem perceber que o destino não se escreve em linhas indômitas, mas antes, desenhado em traços por nossas próprias mãos. 

E se hoje chora, suspirando um amor não correspondido e pensa que sua sina é a dos homens errados, deixa escapar a última pétala, um bem-me-quer perdido por mãos descuidadas.

2 comentários:

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Patrícia
Um bem me quer por mãos descuidadas se torna estéril...
Mas o que a tome com mãos prodigiosas.... aí sim vai ter fruto no amor...
Bjs de paz e bem

Rogéria Ferreira Thompson disse...

Que lindo, amiga!! Minha cara mesmo... principalmente na parte das noites insones... Bj, grande!! Feliz aniversário!!!