3 de mar de 2010

A Vida Sem Manual

De tudo que sabia. E cada vez mais percebia que sabia de tão pouca coisa, é que era preciso ter calma. Calma ao amanhecer e encarar o sol que rachava cortinas e inundava de luz, quando tudo que ela via era escuridão.

Calma pra dar o primeiro passo e se encarar no espelho, e se maquiar, e se vestir de fêmea forte e seguir sorrindo mentiras.

Calma para esquecer por um momento, contas, trabalho, filhos, marido e deixar-se caminhar por entre os carros, cega na dor oculta que trazia na alma, tão ávida de felicidades, mas tão incapaz de obtê-la.

Calma para dizer bom-dias e servir cafés, e digitar relatórios tão inúteis, quanto intermináveis, e sorrir, sempre, o melhor de todos os sorrisos falsos.

Calma para engolir saladas  e fingir dieta num horário rápido e insípido.

Calma para mentir mais uma vez sobre quem era, a tal ponto que no espelho a outra, que não ela, já não lhe acenava mais.

Nenhum comentário: