2 de nov de 2010

Tempestades

Está escrito em algum lugar que pior não pode ficar. Está escrito em algum lugar, que a dor não pode ser maior do que podemos agüentar. Se não está escrito, alguém falou. Ela grava. Repete mentalmente dúzias de vezes ao dia. Convencimento que não vem.

A tempestade não cessa. As coisas continuam a ruir. E ela que havia prometido não chorar mais em público, descobre-se em lágrimas frente ao computador. E as palavras se recusam a sair. Dias de sofrer em silêncio. Angústias cativas a doerem no peito. Expectativas do impossível. Um dia sonhara a propaganda de tevê. Quem enganara? Fingir de adulta, com batom vermelho e salto alto. E os monstros dentro do armário, podiam se enfrentar com lanternas e orações.

Os monstros agora são outros. As propagandas também. E nesses dias cinzas ela descobre que crescer fora a coisa mais idiota que fizera.

7 comentários:

Fernanda Reali disse...

Que post triste, Pat!!! Não quero te ver triste e angustiada. Vamos conversar!
beijooo

Vivi Oliveira disse...

Oi Patrícia mesmo a distância vibro por vc. Quando uma porta fecha,pode demorar um pouco,mas sempre se abre uma janela...e vc é uma pessoa muito querida ;)Cheiro! Vivi Oliveira

Lya Lukka disse...

OI Patricia, amei seu blog. Já estou seguindo, e com certeza visitarei muito. Você é uma pessoa especialmente encantadora e sincera. Pelo que pude ver nos seus textos. Eu também gosto de escrever, porém não sou boa copmo você rsrs... estou engatinhando nesse mundo de blogs ainda. Um grande abraço e parabéns pelos textos e pelo blog, amei, farei merchandising rsrs e já sou fã. Bjão

Silvia disse...

Garota...
Chegando aqui devagar, então, não me sinto a vontade para dizer o que fazer diante dessa situação. Mas uma coisa tenho que dizer, escreve lindamente suas emoções.

Beijos

Sandra Peres disse...

Patricia, é assim mesmo, só o que posso dizer é que vc não está sozinha, e que aprendi as duras penas, q o maior problema está na minha cabeça, com planos, projeções e cobranças, qdo parei de me cobrar e de idealizar tanto as coisas começara a acontecer. Não estão no ritmo, nem onde deveriam estar, mas estão acontecendo.

Beijos.

Giuliana: disse...

Paty,

Posso te abraçar? Então, sinta-se abraçada, com um abraço bem apertado.

Beijos.

Elaine Gaspareto disse...

Patrícia, juro que este texto estava em mim. Você leu e escreveu aqui.
Tem dias que parece que tudo vai desabar, mas tem dias que desaba mesmooo!!!
Sabe quando desgraça parece banana: dá de penca e em cachos grandes? Então...
Por que é que a gente fica adulta sem os recursos pra isso????

Dá cá um abraço que estamos mesmo precisando nos abraçar!
Beijossss