27 de jan de 2012

Mentiras

Finge calmarias que não sente. Resignações que não possui. Ouve frases que machucam com um plácido sorriso no rosto. Implora perdões por erros que não cometeu. Ingere mágoas e tranqüilizantes que permitem um sono sem sonhos, sem planos, sem ausências, que ela finge não sentir.

Fala frases que não acredita e ri, gargalhada triste, enquanto engole o nó que não se desfaz em sua garganta. Oculta na face serena dores intangíveis e se obriga ao riso amargo da ironia, enquanto se veste de forte.

Chora sozinha sentada no frio piso do banheiro, deixando que a água que cai, misture-se as suas águas internas.

22 de jan de 2012

Blog Solidário



Agora com o sol a pino é fácil esquecer que há poucas semanas muitas regiões do Rio e do Brasil ficaram debaixo d´água. Foram famílias que perderam tudo e nesse momento, nem sabe como recomeçar. E, é nesse momento que a solidariedade de todos é fundamental.

Ano passado, Luci Cardinelli e Elaine Gaspareto criaram o Blog Solidário, um blog que já foi criado sob o signo do amor, afinal, a proposta era ajudar pessoas que tinham perdido tudo devido a enchente na Região Serrana do Rio de Janeiro. Foram realizados rifas e coletadas doações, tudo bem documentado através de fotos e relatórios da Luci, mostrando que a união pode fazer muita coisa boa e ajudar os que precisam.

Esse ano, a chuva voltou a castigar várias regiões e uma amiga nossa, Carine Gimenez teve sua casa invadida pelas águas. 

Com o propósito de ajudar a Carine e outras tantas famílias que perderam tudo, Luci Cardinelli voltou a campanha solidária e criou uma rifa, com vários prêmios maravilhosos, se bem, que o maior de todos os prêmios é saber que ajudou alguém!

Então, corre lá no Blog Solidário e veja como você também pode fazer a diferença na vida de alguém! 

18 de jan de 2012

Considerações Finais

Antes que você torça o nariz e diga, ah, é sobre o BBB, atente que:

a) Estupro é crime em qualquer lugar;
b) A violência contra a mulher está crescendo e o acontecido só reflete o que acontece diariamente, mas como nem sempre vem a público, a gente finge que não está acontecendo.
c) Embora tenha sido no BBB, isso também é do seu interesse!

Esclarecido os fatos, vamos ponderar:

1) Porque o clima derrotista? A gente viu um crime, a gente gritou, se recusou a aceitar o "Amor é lindo" de Beal e bem, a emissora teve que se explicar e retratar: pra polícia, pra a gente que paga esse programa e para a sociedade. O participante acusado teve que sair etc

Vocês esperavam o quê? Que o programa saísse do ar? Que o Dono no Jogo viesse a público e ajoelhado pedisse nosso perdão? Bem, eu nunca esperei isso. Na verdade, esperava até muito menos do que aconteceu, só saber que a emissora teve sua credibilidade arranhada, perante a sociedade e os patrocinadores, que mostrou que ninguém ali dentro, por mais que queira é Deux e está acima das leis da sociedade, e mais, que nós aqui fora, estamos de olho e se gritarmos de maneira correta e em uníssono podemos sim, mudar muita coisa!

2) Eu vi o vídeo, não sei se Monique viu ou não, e ouvi o áudio que vazou, e bem, prefiro acreditar em meus olhos e na frase dita pela participante, quando não ao lado de quatro advogados da emissora: - "Se ele fez sexo comigo dormindo, ele é um mau caráter". 

3) E só para falar um pouquinho sobre Monique: Sim, ela é uma mulher com vida sexual ativa, gosta de beber e não tem muito controle sobre isso e dai, eu pergunto: E dai? Ela continua dona do seu corpo e só a ela cabe decidir quando, onde e com quem. A partir do momento em que está em estado alterado de consciência - no caso, bêbada, alguém se utilizar disso para fins libidinosos, é errado! 

O mais importante de Monique não é seu comportamento, mas que assim como estava inconsciente durante o ato, ela continua inconsciente dos seus direitos como mulher. Sabe, existem muitas mulheres, como Monique, que estão acostumada a ser objeto e é difícil mudar esses padrões. Ainda mais se você está dentro de uma casa, cercada de câmeras e vinculada a um contrato que entre as muitas cláusulas existentes, diz que é dono e detentor vitalicio de sua imagem.

4) Monique foi prestar depoimento na policia acompanhada de quatro advogados da mesma emissora que permitiu que o abuso acontecesse. Nem sua mãe, nem seu agente ou advogado estiveram presente. Isso é significativo pra mim, pra vocês não?

5) Continuo afirmando que houve dois crimes e um comportamento inadequado neste episodio: um possível estupro por parte do participante, uma omissão de socorro por parte da equipe presente que gravou e até escreveu que a "loira não se mexia" durante o ato e por fim, a manipulação dos fatos com o objetivo de abafar o acontecido, onde transformou-se um possível estupro num romance, referendado pela frase do apesentador que o "Amor é lindo".

6) Mayara também denunciou que foi molestada pelo participante. Ela estava sóbria, ele estava sóbrio e no entanto, esse episodio foi esquecido. Porque ela não foi ouvida antes do ocorrido com Monique? Por que ela não foi ouvida após o acontecido com Monique? Por que a emissora insiste em fingir que esse episodio não aconteceu?  

7) Que todo esse triste e deplorável episódio sirva para mostrar que: Não importa a roupa que eu vista, não importa que tenha bebido todas, não importa se te dei ou não condição antes, O CORPO É MEU! E só a mim cabe decidir se quero ou não que me toquem. 

8) Por fim: 
a) Sexo com bêbado pode ser considerado estupro, se a vítima não tiver condições de decidir se quer ou não. 

b) Assistir um possível crime, tendo condições de impedir, também te transforma em criminoso.

c) Que por mais que a emissora queira, ela é uma concessão, é como tal, tem que ser fiscalizada e questionada o tempo todo, por TODOS NÓS, os verdadeiros donos dela.   

15 de jan de 2012

Molestamento não é agressão?


O pior da violência feminina é que primeiro nós temos que provar que somos as vítimas, enquanto os agressores só precisam dizer que nós somos putas!

Foi com esse paragrafo que terminei um post escrito no dia 08/02/2011 - quando um determinado participante agrediu verbalmente uma outra participante e após o ato, deitou-se ao lado da mesma e a molestou. Dado o silêncio da participante, e a rejeição da mesma perante o público, nada, ABSOLUTAMENTE nada foi feito, após o ocorrido.

Pouco menos de um ano depois, repete-se o ocorrido, de maneira mais virulenta e absurda. Daniel, um participante do programa, molesta sua companheira de confinamento, Monique, quando a mesma encontrava-se desacordada.

Legalmente, e ressalto aqui, o absurdo do legalmente, não houve estupro, já que não há como provar que houve ou não sexo, visto que tudo ocorreu debaixo de um edredom. Mas, houve, é isso fica claro para todos que, como eu, assistiram a cena, sem nenhum tipo de edição, que a participante estava em estado inconsciente e Daniel faz movimentos sexuais - masturbação, molestamento, o que seja, se utilizando da mesma.

12 de jan de 2012

Eles Crescem Tão Rápidos!

Uma frase que sempre me diziam quando Dani era pequeno e eu achava lugar comum, tipica frase para puxar assunto, era: "Eles crescem tão rápido, aproveito bem cada fase da vida dele". 

Hoje, vendo aquele bebe, que até ontem cabia inteiro no meu colo, completar seis anos, cheio de atitude, opinião; capaz de me surpreender todos os dias com suas descobertas, percebo a verdade da tal frase. Sim, eles crescem tão rápido. 

Tão rápido que não me acostumei ainda ao vazio no meu colo, trocado por passos firmes e decididos na sua descoberta do mundo.

Tão rápido que meus ouvidos, ainda habituados ao: mamãe, colinho! em todos os momentos, estranha a reclamação constante: " - Mãe, eu não sou mais um bebe!" "-Você não me deixa fazer nada radical!"

Tão rápido que hoje ele faz seis anos, já está acima um palmo da minha cintura e desde às seis da manhã comemora, cantando, o aniversário!

Obrigada por ter me escolhido como sua mãe e que eu não te decepcione nunca e que possa fazer (e te dar) o que há de melhor em mim. 

Parabéns meu filho querido, aproveite muito o dia do seu aniversário e o novo ano que se inicia pra você! 

9 de jan de 2012

O Meu Lugar

Você tem um lugar que é seu? 

Um lugar onde não importa se você percorreu estradas sinuosas, se entrou em desvios, ou descaminhos, mas basta pisar lá, que você está em casa?
Desde o primeiro momento em que pisei, tive certeza de que pertencia aquele lugar. Foi ali que passei tardes da minha juventude, papeando com amigos...
Foi ali que namorei, sonhei, fiz planos e comecei minha jornada na vida adulta junto com o namorado,  hoje marido, sentados à beira do lago...
Ali, eu e marido, enfrentamos e superamos a primeira das muitas batalhas que a vida nos apresentou...

Meu filho foi apresentado a esse parque ainda na minha barriga.

Era ali meu refúgio secreto durante a gravidez e caminhava diariamente no seu chão de asfalto e folhas, alimentando marrecos e patos.
O primeiro passeio do pequeno, já fora do útero, foi nesse parque. E seus primeiros passos também foram dados ali. 
E mesmo, quando mudamos de bairro, indo para longe. Meu coração manteve-se preso aquele espaço, e sempre que posso, é pra lá que vou, afim de recarregar minha bateria. 


Marido e filho aprenderam a amar incondicionalmente esse lugar também. E hoje, o espaço que era meu, transformou-se em nosso.

Espaço coletivo que representa o amor que nos une.

E, se você quiser conhecer esse lugar que é meu, tire uma tarde de folga e vá conhecer o Museu da República - funciona todo dia das 9h às 18 h.   

Lá, você pode fazer uma caminhada, sentar em um dos muitos bancos e apenas ficar horas contemplando o ir e vir do patos e marrecos, a suavidade do lago e se tiver sorte, ouvir um dos muitos grupos de serenatas que tocam por lá. Faço uma aposta com você, vai ser amor a primeira vista!

E você, qual é o seu Lugar?

2 de jan de 2012

Blog Retrô 2011 - Blogagem Coletiva


A Elaine Gaspareto  propôs uma retrospectiva bloguista  e, eu claro que topei. Olhar para trás e escolher dentre os posts de 2011 aqueles que, de alguma forma, deixaram sua marca, seja em mim, ou nos que aqui frequentam, foi bem divertido.

Para isso, criou três categorias, o que facilitou muito minha vida, porque depois que fui analisar os posts do ano passado, cheguei a conclusão de que os que adorei escrever, foram os que menos tiveram comentários e muitos tiveram uma visualização estrondosa, e no entanto, somente meia dúzia de comentários. 

A primeira categoria proposta é:

1) Qual post seu que mais você gostou de fazer, que mais prazer ou emoção te deu? Por que?

Na verdade, nessa categoria, encontram-se vários - adoro escrever - então, acabo gostando muito de alguns posts. Mas, dois para mim, se destacam:


2011 me fez perder um pouco do meu humor e este conto, foi um dos poucos escritos ano passado, por isso, ele é importante pra mim, pois mostrou a mim mesmo, que mesmo enferrujada, ainda podia escrever coisa boa. rs
O problema é que ninguém nunca quer saber o outro lado da história. Acostumados com a versão da princesinha e do príncipe encantado, ninguém quer ouvir o que a madrasta tem a dizer.  - A Versão da Madrasta

2) Qual post seu foi o mais popular, mais comentado ou mais visitado? Por que, em sua opinião?

Sem dúvida, os posts que falavam sobre o BBB, foram os mais populares de visualização, mas não de comentários, por isso, deixei-os de lado nesse categoria. Optei por um post que além de ter sido muito emocionante para mim, escrevê-lo, também teve um número expressivo de comentários. 

Na verdade, também foi um post fruto de uma postagem coletiva proposto pela Elaine e cujo tema, espero que permeie o novo ano: AMOR.

3) Qual post seu foi o mais difícil de escrever, o mais complicado? Por que?

Nessa categoria tenho três posts. Foram posts viscerais, no qual me expus como poucas vezes fiz, não por mero exibicionismo, mas por se tratarem de temas, que quando compartilhados, podem ajudar a pessoas, que possam estar passando pelos mesmos problemas.

Esse fala sobre a rejeição editorial, mal que muitos escritores sofrem, antes de finalmente conseguirem um lugar na estante.
Aqui eu falo sobre Síndrome do Pânico e de como sobreviver com ela todos os dias... Foi a primeira vez que falei desse meu problema e de como tenho que lidar com ele todos os dias.
Sem dúvida, esse foi o post mais difícil que escrevi. Não é um post escrito em 2011, na verdade, foi escrito em 2010, mas republiquei no ano seguinte e aqui, convido a todos a lerem, mais uma vez, se já o leu antes, ou o lerem pela primeira vez. Trata-se da violência contra a mulher, nas suas várias nuances. 

Um texto que embora doloroso, tenho muito orgulho de ter escrito, pois através dele, muitas mulheres tiveram coragem de também falar sobre a violência que sofreram/sofriam e em alguns casos, poucos ainda, ajudou outras a enfrentar seus algozes!